Anjinhos da titia Cris,


Essa síntese mais os exercícios irão nos auxiliar no "andar" das aulas, enquanto ainda não utilizamos o livro. Tentem fazer as questões para corrigirmos na próxima aula! Beijinhos da tia Cris


Independência do Brasil


A) Definição básica: processo pelo qual o Brasil se tornou independente em relação a sua antiga metrópole portuguesa. Há de se perceber o caráter peculiar do processo emancipatório brasileiro, uma vez que contou as articulações políticas de portugueses, além de ter instaurado, diferentemente de quase toda a América Latina, uma monarquia como forma de governo.


 

B) A CORTE PORTUGUESA NO BRASIL
 
    SIGINIFICADO


 

A vinda da família real portuguesa para o Brasil significou, na realidade, uma inversão entre metrópole e colônia, já que a sede política do império passava do centro para a periferia.

    DESDOBRAMENTO PRINCIPAL


Processo de emancipação política da antiga colônia brasileira
   
 

"A transferência da Corte portuguesa para o Brasil em 1808 veio dar à nossa emancipação política um caráter que a singulariza no conjunto do processo histórico da independência das colônias americanas. Todas elas, mais ou menos pela mesma época, romperam os laços de subordinação que as prediam às nações do Velho Mundo. Mas, enquanto nas demais, a separação é violenta e se resolve nos campos de batalha, no Brasil é o próprio governo metropolitano quem, premido das circunstâncias, embora ocasionais, que faziam da colônia a sede monárquica, quem vai paradoxalmente lançar as bases da autonomia brasileira (...)".
PRADO JR, Caio. Evolução do Brasil e outros estudos. 9 ed. São Paulo: brasiliense, 1975, p.42-43.

 

OBS 1: Outro ponto de igual relevância ser observado é singularidade da unidade política. Após o processo emancipatório o território do Brasil não se fragmentou, diferentemente do aconteceu com as demais colônias latino-americanas.
OBS 2: em 1807- convenção secreta de Londres (transporte da família Real em troca de favores comerciais)

C) TRANSFORMAÇÕES TRAZIDAS PELA VIDA DA CORTE PARA O BRASIL


    I) abertura dos portos às nações amigas  
    II) Revogação do Alvará de 1785

    III) Tratados de Paz e Amizade
    IV) Elevação do Brasil à categoria de Reino Unido
    V) Fundação do Banco do Brasil entre outros


 


  1-
Na prática, rompeu-se o "Pacto Colonial" da era mercantilista, possibilitando o inicio da inserção da economia brasileira no contexto mais amplo da ordem capitalista em consolidação. 

  2-Foi revogada a proibição da instalação de manufaturas na Colônia. Em tese abria-se a possibilidade de uma industrialização que na prática não se concretizou. O latifúndio e a escravidão continuaram a ser a base produtiva da sociedade brasileira. A falta de uma mentalidade empresarial e o pouco capital foram fatores que contribuíram notoriamente para tal fato. ( em um prazo de 20 anos seria extinta a escravidão, pois o dinheiro empreendido na compra de escravo pode ser investido na compra de produtos, por exemplo)  


 3-Tratados de comércio realizados com a Inglaterra. Tais tratados deram a este país uma posição privilegiada em relação aos direitos alfandegários. 
                        24% ad valorem para outros países
                        16%ad valorem para os portugueses
             15%ad valorem para os ingleses.

4- Foi realizado tal feito por pressão da diplomacia inglesa à época do Congresso de Viena.

 
OBS 1: Os vínculos econômicos com a potência inglesa industrial emergente tornaram-se cada vez mais evidente. Tal fato também decorre muito em função da própria dependência portuguesa em relação ao capitalismo britânico. Como a colônia agora era sede do governo nada mais lógico que também ocorresse a transferência dessa dependência para a nova sede.

 
OBS 2: A vinda da corte portuguesa para o Brasil- mais especificamente o rio de Janeiro – trouxe consigo inúmeros desconfortos para a população deste lugar. Várias famílias tiveram que sair de suas casas para poder alojar todos os membros da Corte que não tinham onde ficar

 
D) Medidas contraditórias :Apesar de D. João ter tomado medidas de cunho liberal , beneficiando os comerciantes ingleses, ele também tomou medidas que ainda continham o espírito mercantilista. Isto quer dizer que ao abrir os portos às nações amigas ele acabou por prejudicar alguns interesses de comerciantes portugueses no Brasil. Para tentar amenizar tal situação, D. João fez com que o Estado continuasse se intrometendo na economia e concedendo a estes comerciantes prejudicados monopólios. Entretanto, isso acabou por atingir os latifundiários e comerciantes brasileiros que ficaram de fora da jogada. E esse fato se torna importante para compreender o processo emancipatório. Sobre o assunto Emília Viotti nos relata:
" (...) adotar em toda a sua extensão os princípios do liberalismo econômico significaria destruir as próprias bases sobre as quais se apoiava a Coroa. Manter intacto os sistema colonial era impossível nas novas condições. Daí, as contradições de uma política econômica. (...) os colonos perceberam as vantagens de ampliar cada vez mais a liberdade, enquanto os metropolitanos convenciam-se da necessidade de restringi-las". In: Brasil em Perspectiva

 

E) O processo: 1845 – tropas napoleônicas são derrotadas, sendo estabelecido, então, uma regência dirigida pelo inglês Beresford.
        1820 – Revolução do Porto – movimento de cunho liberal liderado pela burguesia mercantil portuguesa. Convocação das cortes (assembleia que deveria redigir a constituição), além da exigência de D. João VI par Portugal. Entretanto, embora liberal (elaboração de uma constituição e tripartição do poder) a Revolução do Porto possuía também o caráter recolonizador em relação ao Brasil. Tal fato pode ser claramente observado a partir das seguintes medidas defendidas pela Assembleia:

 
* direta subordinação dos comandos militares no Brasil ao governo português; 
*limitação do poder de D. Pedro I ao rio de Janeiro, as demais províncias ficariam sob o poder de Lisboa;
 *supressão de órgãos públicos criados no Brasil por D. João.

REAÇÃO À POLÍTICA DE RECOLONIZAÇÃO POR PARTE DE VÁRIAS FORÇAS BRASILEIRAS.



 

CONCENTRAÇÃO DE FORÇAS EM TORNO DE D. PEDRO I

 


 

AMPLIAÇÃO DA PRESSÃO DAS CORTES



 

                                       Sem alternativa ocorre, então, A RUPTURA.


                                                                                                   
   07/09/1822

 

Exercícios de fixação

1)(UFRJ) O processo de ruptura do pacto colonial assumiu dimensão definitiva por ocasião das mudanças ocorridas quando da era napoleônica. Os interesses colonialistas sofreram contestações e o ideário da Revolução francesa influiu decisivamente nos processos políticos ocorridos no interior das colônias americanas. No Brasil, este processo reflete-se em ações que resultaram na independência de 1822, precedida de movimentos sociais diversos (...)".
Justifique o apoio dos grandes proprietários ao processo de independência no Brasil

 

 
2) (UERJ ) Após a transferência da corte portuguesa para o Brasil, o Rio de Janeiro foi inundado de mercadorias inglesas, algumas sem qualquer utilidade, como registra o viajante inglês J. Mawe em seu livro Viagens ao interior do Brasil: "certo especulador, numa maravilhosa previsão mandou grandes remessas de espartilhos para senhoras que nunca haviam ouvido falar em tal armadura". Essa afirmação pode ser explicada pela:

 
a) crise de superprodução manufatureira européia.
b) política empreendida pelas Cortes Constituintes de Lisboa.
c) vantagem dada aos britânicos a partir dos tratados de 1810
d) volta de D. João VI para Portugal após a Revolução do Porto.

 
3) O Exclusivo comercial sempre foi o laço fundamental entre a metrópole portuguesa e sua colônia brasileira. Relacione o fim deste exclusivo com os acordos comerciais de 1810.

 

4- (Fatec/SP ) A abertura dos portos, realizada por D. João (1808), teve amplas repercussões, pois na prática significou:

a) o aumento sensível das exportações sobre as importações, com a restauração da balança de pagamentos. 
b) o estabelecimento de maiores laços comerciais com Lisboa, conforme o plano de Manuel Nunes Viana, paulista de grande prestígio. 
c) manutenção da politica econômica mercantilista, segundo defendia José da Silva Lisboa. 
d) o rompimento do pacto colonial, iniciando em novo processo que culminou com a Independência. 
e) a intensificação do processo de independência econômica do Brasil, em face da liberdade industrial.


 

5- A transferência do governo português para o Brasil, em 1808, teve ligação estreita com o processo de emancipação política da colônia porque: 

a) introduziu as ideias liberais na colônia, incentivando várias rebeliões. 
b) reforçou os laços de dependência e monopólio do Sistema Colonial, aumentando a insatisfação dos colonos, 
c) incentivou as atividades mercantis, contrariando os interesses da grande lavoura. 
d) favoreceu os comerciantes portugueses, prejudicando os brasileiros e os Ingleses (gados ao comércio de importação).
e) instalou no Brasil a estrutura do Estado português, reforçando a unidade e a autonomia da colônia.


 

6-  A independência do Brasil e das colônias espanholas na América tiveram como elemento comum:
                                 
a) as propostas de eliminação do regime escravista imposto pela metrópole;
b) o caráter pacífico, uma vez que não ocorreu a fragmentação política do antigo bloco colonial ibérico;
c) os efeitos do expansionismo napoleônico, responsável direto pelo rompimento dos laços coloniais;
d) o objetivo de manter o livre-comércio, como um primeiro passo para desenvolver a industrialização na América;
e) a efetiva participação popular, uma vez que as lideranças políticas coloniais defendiam a criação de Estados democráticos na América.


 

7- (MACKENZIE) O processo de independência do Brasil caracterizou-se por:

a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios;
b) ter uma ideologia democrática e reformista, alterando o quadro social imediatamente após a independência;
c) evitas a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma;
d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas;
e) promover um governo liberal e descentralizado através da Constituição de 1824.


 

                                                Bom estudo! Cris
0

Adicionar um comentário

Carregando